Projetos Individuais

Porque se mobilizam os professores? Representações colectivas e coordenações de acções públicas dos professores do Ensino Básico e Secundário em função de juízos plurais sobre o que é um bom profissional de ensino

Investigador Responsável: Luís Carlos Pinto Gouveia
Referência: SFRH/BD/80811/2011
Entidade Financiadora:

Fundação para a Ciência e Tecnologia (Bolsas de Doutoramento)

Objectivos:

Este projeto visa compreender, no quadro da Sociologia Pragmática de Laurent Thévenot e Luc Boltanski, o movimento de contestação dos professores ao Estatuto da Carreira Docente (ECD) aprovado em 2007 enquanto questão intimamente ligada à problemática de juízos morais e políticos plurais sobre “o que é ser professor num contexto de incerteza” nas escolas como arenas públicas. Num primeiro ponto, o propósito será o de compreender esta contestação contextualizando-a nas sucessivas reformas da política de educação implementadas desde os anos 80, promovidas, segundo sindicatos e porta-vozes dos docentes, no sentido da redução da autonomia pedagógica dos professores. Procurar-se-á ainda compreender as causas da indignação dos professores à luz dos “regimes de justificação” mobilizados para justificar as sucessivas críticas aos projectos de ECD e que ações coordenadas foram mobilizadas para a denúncia pública dessa “injustiça” e para a receptibilidade dessa denúncia como “legítima” em referência a “ordens de grandeza de carácter moral e político”.

Data de Início: 2012
Data de Fim: 2016